Oligarquias, República das

A oligarquia (do grego oligoi, “poucos” e arché, “governo”, “liderança”) designa, hoje, a forma de governo em que uma elite ou uma pequena parcela social detêm o poder político e econômico.

As oligarquias estiveram presentes na história do Brasil por todo período monárquico desde a independência. Foi, porém, na Primeira República ou República Velha (1889-1930) que elas estiveram mais atuantes e evidentes, a ponto de se denominar esse período de República Oligárquica ou República das Oligarquias.

As oligarquias dos estados mais ricos e populosos – Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Bahia e Pernambuco – assumiram o controle da República elegendo maior número de deputados e senadores (a composição da Câmara Federal era proporcional ao número de eleitores) e ocupando mais postos presidenciais e ministeriais.

“Entre as características dos regimes oligárquicos da Primeira República podemos destacar:

  • o parentesco e a lealdade pessoal como critérios de escolhas políticas;
  • a estabilidade baseada no impedimento de minorias oposicionistas;
  • a manutenção de privilégios e favores;
  • a prática de relações políticas tradicionais que desconsidera a meritocracia para ascensão política;
  • práticas autoritárias para manter o poder concentrado nas mãos dos mesmos grupos;
  • uma maioria politicamente desinteressada em participar da comunidade política.”

Fonte

  • VISCARDI, Cláudia. Primeira República (1889-1930): República Oligárquica. In SCHWARCZ, Lilia M. e STARLING, Heloisa M. Dicionário da república: 51 textos críticos. São Paulo: Companhia das Letras, 2019, p. 290-1 (adaptado).

 

Compartilhe =]

Compartilhar no Facebook Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Pocket Compartilhar no Twitter Compartilhar no LinkedIn