Quipo (ver Incas e Tahuantinsuyu)

Quipo era um instrumento de registro contábil utilizado pelos incas. Era constituído por um conjunto de cordões, coloridos ou não, nos quais eram dados nós. Cada nó em cada cordão significava uma mensagem distinta: tributos recolhidos, colheita, recenseamento da população e, inclusive, fatos históricos.  Cada cordão poderia ter um ou mais nós, ou nenhum nó, ou um nó na ponta, um na base etc. A posição do nó e sua quantidade, bem como as cores do cordão tinham significado. A mensagem contida no quipo era comunicada ao imperador inca que, dessa forma mantinha o controle do que ocorria no império.

Existem aproximadamente 600 quipos que sobreviveram desde a época da conquista. O conhecimento de como se ler um quipo foi perdido. Discute-se se os quipos constituíam uma forma de escrita. Segundo alguns pesquisadores, a natureza tridimensional dos quipos possibilitava ao seu leitor – o khipucamayoc – uma variedade de leituras que não há paralelo nos sistemas lineares de leituras alfabéticas.

Quipo

Gravura do séc. XVI (à esquerda) que mostra um “chasqui”, mensageiro inca, com um quipo na mão esquerda. Um quipo (à direita) da coleção do Museu Arqueológico Rafael Larco Herrera, em Lima, Peru.

Compartilhe =]

Compartilhar no Facebook Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Pocket Compartilhar no Twitter Compartilhar no LinkedIn