Imprensa negra (no Brasil)

A comunidade afro-brasileira liberta expressou-se por meio de diversos veículos de imprensa ainda antes da abolição. O primeiro jornal editado por negros que se conhece no Brasil foi O Homem de Cor, de Paula Brito, no Rio de Janeiro, em 1833. O jornal teve cinco números e circulou entre setembro e novembro.

Surgiram outros jornais, mas, foi a partir de 1915 que a imprensa negra ganhou impulso, especialmente em São Paulo. O marco inicial foi jornal O Menelik criado pelo poeta negro Deocleciano Nascimento, em 1915 e que teve dois ou três números, encerrando suas atividades no ano seguinte.

Com poucos recursos financeiros para se viabilizar (essa imprensa sobrevivia de maneira geral de módicos anúncios publicitários e da solidariedade da comunidade negra) era difícil manter uma periodicidade regular. Mesmo com jornais de pequena tiragem e curta duração, essa imprensa foi importante como porta-voz dos anseios e reivindicações do povo negro.

Entre os anos de 1915 e 1964, mais de 40 veículos da imprensa negra foram publicados no estado de São Paulo, entre eles:

  • A Rua (1916), jornal literário, crítico e humorístico, dirigido por Oliveira Paula e José Fernandes;
  • A Liberdade (1919), fundado por Frederico S. de Souza e Joaquim Campos;
  • Elite (1923), órgão oficial do grêmio Elite da Liberdade;
  • O Clarim da Alvorada (1924), fundado por José Correia Leite e Jayme de Aguiar, o primeiro jornal negro a assumir a militância ideológica;
  • A Voz da Raça (1935), órgão da Legião Negra Brasileira;
  • Tribuna Negra (1935);
  • Senzala (1946);
  • Quilombo (1950), revista do Teatro Experimental Negro;
  • O Mutirão (1958)
  • Correio d’Ébano (1963).

Na década de 1990, a imprensa negra ressurgiu em novos modelos com as revistas Black People (1996), no Rio de Janeiro, Raça Brasil (1996) e Maioria Falante, ambos em São Paulo.

Veja mais

Compartilhe =]

Compartilhar no Facebook Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Pocket Compartilhar no Twitter Compartilhar no LinkedIn