Crack (da Bolsa)

Crack, termo em inglês significando “quebra”, é o termo empregado para a súbita e ampla quebra dos valores das ações na Bolsa de Valores. O maior crack conhecido, de repercussão mundial, foi o ocorrido em outubro de 1929, nos Estados Unidos. Um ano antes, as ações das grandes companhias americanas subiram rapidamente de valor. As cotações dobraram e foram lançadas no mercado novas ações, muitas das quais desconhecidas. O grande montante de dinheiro ganho fazia de cada investidor um especulador.

As altas das ações baseavam-se em falsas expectativas de lucro que os investidores tinham em relação às empresas, muitas que sequer existiam. A euforia dos investidores foi abalada no dia 24 de outubro de 1929, a “quinta-feira negra”, quando houve uma queda geral dos valores das ações. Os investidores trataram de vender suas ações rapidamente com medo de perder o dinheiro aplicado e, com isso, os valores das ações despencaram ainda mais nos dias seguintes. O desastre total ocorreu no dia 29, a “terça-feira negra”.

Em consequência do Crack da Bolsa, empresas comerciais e industrias faliram, houve desemprego em massa e milhares de pessoas caíram na miséria. A crise piorou a situação dos pequenos fazendeiros e trabalhadores rurais. Não havia compradores para seus produtos, que acabavam apodrecendo nos campos e nos celeiros. Sem renda, não podiam pagar as dívidas e perdiam suas terras que eram tomadas pelos bancos.

O crack de 1929 inaugurou um período de recessão econômica nos Estados Unidos. O país reduziu drasticamente suas importações e cortou os empréstimos e investimentos no exterior. Com isso, provocou um “efeito dominó” levando à crise todos os países da Europa e da América que dependiam das compras e investimentos norte-americanos. O resultado foi uma crise mundial que se estendeu até metade da década de 1930.

Ver mais

 “Quinta-feira negra”, inicio da Crise de 1929

A Crise de 1929 em um mapa mental para usar em sala de aula

Compartilhe =]

Compartilhar no Facebook Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Pocket Compartilhar no Twitter Compartilhar no LinkedIn