Navio negreiro

Embarcação utilizada no transporte de escravos da África para serem vendidos como escravos no Brasil. Na travessia, era enorme a mortalidade pois, em busca de enormes lucros, os traficantes e transportadores traziam a carga humana em excesso, com alimentação e água insuficientes, em um ambiente quase sem ventilação.

Os espaços em que os grupos de escravos se amontoavam, nos porões dos navios, tinham menos de 1 metro de altura. Deitados lado a lado, nus e acorrentados, ali mesmo recebiam sua parca alimentação e satisfaziam suas necessidades fisiológicas. Algumas vezes eram levados ao convés superior para respirar ar puro e desentorpecer os músculos.

A viagem de um navio negreiro de Angola até Pernambuco demorava em média 35 dias e até o Rio de Janeiro 50 dias. Nesse meio tempo, os negros eram alimentados com feijão, fubá e peixe ou carne muitas vezes estragados. E a água, quente, suja e racionada, pouco servia para matar a sede.

O índice de morte dos africanos nessas viagens era tamanho que o navio negreiro foi chamado, também, de tumbeiro, isto é transportador de cadáveres, uma tumba coletiva flutuante.

Maquete do interior de um navio negreiro (à esquerda) e diagrama mostrando como os escravos eram arranjados de maneira a aproveitar todo o espaço do porão (à direita).

Compartilhe =]

Compartilhar no Facebook Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Pocket Compartilhar no Twitter Compartilhar no LinkedIn