Ferro de marcar escravo

Ferro utilizado para marcar o escravo como sinal de propriedade ou castigo aos escravos rebeldes ou fugitivos. O costume existia desde os antigos egípcios e romanos. A marca, feita com o ferro em brasa na pele do escravo, era geralmente um símbolo (seta, cruz, figura geométrica etc.), uma letra maiúscula ou, então, duas letras montadas. Podia ser aplicada no peito, na testa, no ombro, no braço, na barriga ou na panturrilha.

Alguns escravos eram marcados a ferro ainda na África, antes do embarque. Nem as crianças foram poupadas. Há relatos de escravos com 10 anos já com marcas de ferro na pele. De acordo com Clóvis Moura, autor do Dicionário da Escravidão Negra no Brasil, a palavra “carimbo”, que é de origem africana, surgiu a partir desse hábito.

Ferro de marcar

Anúncio de fuga de escravo identificado pelo sinal do ferro de marcar.

 

Compartilhe =]

Compartilhar no Facebook Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Pocket Compartilhar no Twitter Compartilhar no LinkedIn